sexta-feira, 16 de novembro de 2018

A biografia do Samba é linda
Não vou narrar porque o tempo não me favorece
Simplesmente por alto eu digo
Ela veio do lamento dos escravos ao fazerem suas preces
São súplicas que o Brasil jamais esquece

O samba tomou seu feitio no morro 
Veio pra sociedade não ficou só por aqui
Eu sei que há de aparecer
Alguém que faça pelo samba
Como Carlos Gomes fez com o "Guarani"

Talismã


terça-feira, 16 de outubro de 2018

"São Paulo me adotou e e eu a adotei. Sou carioca e vim novo para cá. Foi aqui que minha carreira começou. Mas sinto um misto de amor e tristeza por causa da falta de amor das pessoas com a cidade. Indico as salas de cinema do Shopping Villa Lobos. O som lá é muito bom. E também o restaurante Capim Santo, onde é possível comer embaixo das arvores com o mesmo charme da matriz de Trancoso, no sul da Bahia." 
Wilson Simoninha (no livro São Paulo, 450 razões para amar, 2003)

  foto Centro Cultural São Paulo.

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Música. 
Um Passeio musical pela cidade de São Paulo pode incluir Carlos Gomes, Villa-Lobos, Bidu Sayão, Rogério Duprat, Eduardo Gudin, Nelson Ayres, Paulo Vanzolini, Garoto, Rita Lee, Geraldo Filme, Adoniran Barbosa, Elis Regina, Jair Rodrigues, Choro das 3.

"Na Paulista os faróis já vão abrir"
"De noite eu rondo a cidade a te procurar, sem encontrar"
"Tão longe de mim distante, onde irá teu pensamento"
"Na cidade de São Paulo, o amor é imprevisível"
"Quem nunca viu o samba amanhecer, vai no Bixiga pra ver"   
"Moro em Jaçanã"

Prepare o seu coração e conheça São Paulo.




quarta-feira, 25 de julho de 2018





"Deparamos nos domínios com olarias, ferrarias, carpintarias, sapatarias, serrarias. Não é de estranhar, portanto, que em São Paulo vivam em 1922 apenas treze oficiais artífices: cinco alfaiates, três sapateiros, três ourives, um serralheiro e um barbeiro." (do livro Evolução Política do Brasil, Caio Prado Junior).

O crescimento populacional da cidade de São Paulo foi alucinante e em seu espaço se abrigam imigrantes de mais de setenta etnias, migrantes de todo o país. Bom para viver, bom para passeios.

domingo, 1 de julho de 2018

"O PORTO ERA USADO SOBRETUDO PELOS MONGES DE SÃO BENTO PARA TRANSPORTE DE MERCADORIAS DE SUA FAZENDA DE SÃO BERNARDO ATÉ O CONVENTO A DOIS PASSOS DALI. TANTO ASSIM QUE CHEGOU A SER CHAMADO TAMBÉM DE PORTO GERAL DE SÃO BENTO. MAS NÃO SE PENSE QUE ALI CHEGAVAM APENAS INOCENTES FRUTAS E VERDURAS, GALINHAS OU PORCOS. COMERCIALIZAVA-SE GENTE, TAMBÉM. ERA COMUM QUE ESCRAVOS AFRICANOS VINDOS DO LITORAL FIZESSEM PELO TAMANDUATEÍ O ULTIMO TRECHO DA VIAGEM A SÃO PAULO. E PODIA  ACONTECER ALI MESMO OS ESCRAVOS SEREM NEGOCIADOS."

(do livro A Capital da Solidão - Uma história de São Paulo das origens a 1900, Roberto Pompeu de Toledo) 


domingo, 3 de junho de 2018


ANHANGABAU


São Paulo, uma cidade indígena. Afinal o nome desse lugar era outro: Piratininga. 
E atualmente abriga três Aldeias da nação Guarani onde suas crianças se comunicam na língua nativa. 
Um passeio por qualquer região e logo encontramos palavras diferentes. Assim na zona Norte estão Tucuruvi ou Jaçanã. Na zona Sul estão Grajaú ou Ipiranga. Na zona Oeste, Butantã ou Jaguaré. Na zona Leste, Itaquera ou Sapopemba.

"Quando as caravelas afortunadas de Cabral se acercaram das praias de Vera Cruz, o espanto maior dos nautas não foi causado pela estranheza ou formosura da terra, mas pelo fato dos seus habitantes serem homens, como outros quaisquer, criaturas normais, iguais à das geografias conhecidas, seres criados à imagem de Deus". (do livro "O Índio Brasileiro e a Revolução Francesa", Affonso Arinos de Mello Franco).


segunda-feira, 5 de março de 2018





"O serviço de limpeza da São Paulo de Castro Alves (1868) era dividido em quatro distritos, cada um atendido por um certo número de carroças, denominadas "galés", "galeras", que começavam os trabalhos às seis da manhã. Os moradores faziam a limpeza da frente de suas casas e depositavam o lixo em cestos, caixotes ou gamelas que permaneciam à porta da rua. Willian Hadfield achou as ruas paulistanas notavelmente limpas." 

do livro "São Paulo de Castro Alves", Norlandio Meirelles de Almeida.